Cursos de capacitação em teologia

Cursos de capacitação em teologia
 

Objetivos

 
1. A apresentação do trabalho pedagógico desenvolvido no Instituto.

2. Envolver a comunidade evangélica com o Instituto para uma aprendizagem sistematizada das Escrituras Sagradas.

3. Incentivar o gosto pela leitura.

4. Incentivar o autoaperfeiçoamento dos membros e obreiros das igrejas.

5. Dinamizar o ensino teológico evitando a inércia didático-pedagógico.

6. A capacitação ministerial e pastoral.

7. Abençoar a vida dos irmãos em Cristo.

8. Promover um ensino teológico de inclusão.

9. Promover uma fé cristã sadia baseada na Bíblia Sagrada.

10. Levar o ser humano ao arrependimento pelo conhecimento dos ensinamentos de Cristo e dos apóstolos.
 
Você poderá se aprimorar cada vez mais para trabalhar na Obra do Senhor.
 
O nosso compromisso é, primeiramente, com a obra de Jesus e depois com VOCÊ, pois queremos que exerça o seu ministério com excelência.
 

P√ļblico Alvo

 

    • Os interessados em complementa√ß√£o de horas de est√°gio e atividades extracurriculares.
    • Os interessados em se capacitar teologicamente para o seu minist√©rio, aprender mais sobre a B√≠blia Sagrada, melhorar suas prega√ß√Ķes, evitar erros e heresias, bem como ser um excelente professor da escola b√≠blica dominical.
    • Pessoas que desejam uma forma√ß√£o teol√≥gica continuada.

 
 

Cursos indeniz√°veis – Grupos 1 e 2

 
Disciplinas complementares
 

Nestes grupos as notas de alguns cursos NÃO SÃO mostradas nos certificados disponibilizados gratuitamente. Para cadastrar sua nota você deve solicitar o certificado.

 

 

Grupo 1

Prazo de conclus√£o: 30 dias.
Inscrição: R$ 17,90
Carga hor√°ria: 60 h.

Grupo 2

Prazo de conclus√£o: 45 dias.
Inscrição: R$ 17,90
Carga hor√°ria: 120 h.

 

Cursos indeniz√°veis – Grupos 3 e 4

 

Nestes grupos as notas são mostradas nos certificados disponibilizados gratuitamente. Imprima e guarde com carinho para comprovação.

 

 

 

Cursos indeniz√°veis – Grupos 5 e 6

Nestes grupos as notas são mostradas nos certificados disponibilizados gratuitamente. Imprima e guarde com carinho para comprovação.

 

 


 
Certificado

 

Documento de Conclusão РCertificado e o respectivo histórico escolar

 

√Č poss√≠vel imprimir gratuitamente o referido certificado diretamente no campus virtual, mas o aluno poder√° solicitar ao Instituto mediante indeniza√ß√£o.

 

Observa√ß√£o: N√£o constar√° no certificado que o curso foi realizado a dist√Ęncia.

 

Para o envio do documento de conclusão, após aprovação, haverá cobrança de taxa do requerimento de confecção e envio de certificado.

 

Para solicitar o certificado de conclus√£o siga as orienta√ß√Ķes no campus virtual ap√≥s a matr√≠cula.

 

O importante é a qualidade teológica de ensino, mas caso queira ver algumas imagens clique em: https://itemol.com.br/site/modelos-de-certificados/

 

Veja o valor do requerimento na loja virtual.

Metodologia
 
 

 

A estimativa de conclus√£o varia de acordo com as orienta√ß√Ķes de cada curso (30 ou 45 dias) para um estudo di√°rio de¬†1h 30m a 2h 30m, podendo ser reduzido de acordo com a disponibilidade de tempo de cada seminarista, mas n√£o poder√° ultrapassar o tempo previsto para cada curso.

 

Após a conclusão do tempo, a matrícula é suspensa automaticamente, sem intervenção humana. Para retornar deverá realizar o pagamento de rematrícula.

 

Curso baseado nos princípios da Educação para Jovens e Adultos (EJA) do governo federal (Art 37 e 38 da LDB 9394/96).

 

Desenvolvido através do campus virtual (ambiente virtual de aprendizagem) na plataforma Moodle num sistema de disciplinas curriculares.

 

Cada aluno fará a leitura das apostilas, do material de apoio, enfim, cumprirá todas as atividades previstas na disciplina e fará a avaliação.

 

Para aprovação: obter nota igual ou superior a 5,0 em cada disciplina.

 

 

Terminologia:

 

1. Certificado impresso: é o documento emitido gratuitamente expedido diretamente no campus virtual que confirma a conclusão do curso.

 

2. Certificado solicitado: é o documento indenizável solicitado ao Instituto através da loja virtual em www.itemol.in que confirma a conclusão do curso

 

3. Curso gratuito: é grátis. O aluno não paga nenhum valor para frequentar.

 

4. Cursos indenizáveis: curso no qual o aluno paga sua inscrição.

 


Algumas ementas

CAPACITAÇÃO DE DISCIPULADOR РO discípulo é aquele homem ou mulher disposto a seguir as regras, ensinamentos, normas, doutrinas de seu mestre. Os discípulos de Jesus são aqueles que desejam servir à causa e à obra de Cristo. Jesus disse para os seus escolhidos que deveriam fazer discípulos e lhes ensinassem a guardar tudo que foi falado. Esta missão continua nos dias atuais.

 

Como posso fazer discípulos se eu ainda não sei o que é um discípulo?

 

A nossa proposta neste curso é capacitar o cristão a ser um discípulo e, ao mesmo tempo, um fazedor de discípulo.

 

CAPACITA√á√ÉO DE OBREIROS – Conhecer a B√≠blia Sagrada √© uma obriga√ß√£o do crist√£o. √Č a nossa espada e todo bom soldado deve saber manuse√°-la de modo eficaz. O disc√≠pulo √© aquele homem ou mulher disposto a seguir as regras, ensinamentos, normas, doutrinas de seu mestre.

 

Somente conhecendo as doutrinas b√≠blicas poderemos ser um “obreiro aprovado” que manuseia bem a palavra da verdade.

Alguns conte√ļdos disciplinares

1- ARQUEOLOGIA B√ćBLICA
 
EMENTA

O mundo do antigo testamento combina pesquisas seculares com a narrativa b√≠blica para desvendar alguns dos mist√©rios do mundo antigo. √Č redigido com base no mais recente conhecimento arqueol√≥gico, hist√≥rico, lingu√≠stico e teol√≥gico.
Apresenta os povos que influenciaram a hist√≥ria de Israel durante o per√≠odo do Antigo Testamento. No mundo do Antigo Testamento, o estudante ver√° que esses povos realmente viveram as experi√™ncias registradas, as quais n√£o foram cria√ß√Ķes liter√°rias de algum escritor imaginativo. Quanto mais conhecemos esse mundo, tanto melhor compreenderemos os seus acontecimentos, o estudo dessa mat√©ria ajuda ao aluno a ver com clareza a poderosa m√£o de Deus na hist√≥ria, porque cada um dos povos que influenciaram a vida de Israel foi participante no grande palco da civiliza√ß√£o.
 
OBJETIVO GERAL

‚ÄĘ Identificar o ambiente b√≠blico e o contexto cultural do povo israelita com a B√≠blia Sagrada
‚ÄĘ Compreender os momentos hist√≥ricos narrados na B√≠blia e os locais e povos envolvidos.
‚ÄĘ Comparar as novas descobertas arqueol√≥gicas com a B√≠blia.
 
2 РAntropologia Bíblica Cultural I e II
 
EMENTA
Introdução à Antropologia Bíblica Cultural. Conceito de Cultura Antropológica. Antropologia e Ciência. Antropologia e Teologia. A subdivisão da Antropologia. Temas da Cultura Antropológica: Religião, Política, Arte, Economia, Linguagem, Práticas e Teorias, Crença e Razão, Artesanato.

Antropologia Cultural e Tradição Bíblico-Teológica. Antropologia Cultural e Modernidade. Antropologia e Autotranscedência. Origem e Evolução do Ser Humano. A Mentalidade Humana. A Base Fundamental da Cultura. Atualização da Antropologia Bíblica Cultural.
 
OBJETIVO GERAL
Compreender a Bíblia a luz da interpretação antropológica.
 
OBJETIVOS ESPEC√ćFICOS
a) Analisar diversas situa√ß√Ķes relacionadas ao povo de Israel e a B√≠blia aos olhos da antropologia cultural.
 
3 РAconselhamento Bíblico
 
EMENTA

Uma apresentação do panorama histórico do Aconselhamento Bíblico (que visa tornar o homem cada vez mais semelhante à pessoa do Senhor Jesus Cristo), e uma análise das influências e consequências da psicologia humanista (que visa fazer com que o homem se sinta bem) sobre a cultura evangélica.

OBJETIVO GERAL
 
Levar o aluno a firmar as suas convic√ß√Ķes na sufici√™ncia das Escrituras como o recurso adequado para lidar com os problemas espirituais do homem, bem como oferecer princ√≠pios e t√©cnicas para o exerc√≠cio do minist√©rio de aconselhamento que promova mudan√ßa b√≠blica.

Ao findar o curso o aluno dever√° ser capaz de:

A. Diferenciar o verdadeiro Aconselhamento Bíblico das diversas formas de integração.
B. Apresentar argumentos teológicos fundamentados com passagens bíblicas, que refutem as teorias seculares.
C. Identificar e trabalhar em áreas da própria vida que requeiram mudança bíblica.
 
4 РAdministração Eclesiástica
 
EMENTA
Apresentação do conceito sobre administração eclesiástica, a administração sob o ponto de vista bíblico, objetivos da organização, administração secular, estrutura eclesial, planejamento e execução de atividades administrativas eclesiásticas.
 
OBJETIVO GERAL
Preparar o discente a desenvolver atividades administrativas na igreja, bem como despertar o senso de liderança.
 
5 РApologética
 
EMENTA

Demonstrar como a Apolog√©tica √© ao mesmo tempo proleg√īmeno (introdu√ß√£o) e uma aplica√ß√£o do sistema de pensamento crist√£o, que possui uma fun√ß√£o defensiva e ofensiva, al√©m de ser necess√°ria para crist√£os e n√£o crist√£os. Assim, se pensar√° as diversas dimens√Ķes da exist√™ncia, demonstrando que qualquer problema filos√≥fico s√≥ pode ser respondido e manter a sua coer√™ncia dentro de uma cosmovis√£o te√≠sta crist√£ reformada.
 
OBJETIVO GERAL

‚ÄĘ Estudar e questionar entre outros aspectos: o porqu√™ da religi√£o levar os homens ao fanatismo, ao exagero e ao suic√≠dio.
‚ÄĘ Identificar porque homens adoram ratos, √°rvores, vacas, elefantes e est√°tuas.
‚ÄĘ Identificar porque a religi√£o fascina tanto os seres humanos.
‚ÄĘ Analisar os aspectos religiosos.
 
6 – Bibliologia do Antigo Testamento I
 
EMENTA
Os cinco primeiros livros da B√≠blia formam um conjunto que os judeus denominam ‚ÄúLEI‚ÄĚ, ou TOR√Ā. O primeiro testemunho certo desta denomina√ß√£o encontra-se no pref√°cio do ECLESI√ĀSTICO. Na B√≠blia judaica, o Pentateuco √© chamado a Lei, a Tor√°: de fato, ele reconhece o conjunto das prescri√ß√Ķes que regulavam a vida moral, social e religiosa do povo. Para nossos olhos modernos, o tra√ßo mais not√°vel dessa legisla√ß√£o √© seu car√°ter religioso. Esse aspecto encontra-se tamb√©m em certos C√≥digos do Oriente antigo, mas nunca acompanhado de tanta compenetra√ß√£o do sagrado e do profano; em Israel, a lei √© ditada por Deus, regula seus deveres para com Deus e motiva suas prescri√ß√Ķes com considera√ß√Ķes religiosas. Isso parece √≥bvio no caso das normas morais do Dec√°logo ou das leis cultuais do Lev√≠tico; mas √© muito mais significativo que, numa mesma cole√ß√£o, se misturem leis civis e penais e preceitos religiosos, e que o conjunto seja apresentado como a carta da alian√ßa com IahweH.
GÊNESIS Рporque começa pelas origens do mundo;
ÊXODO Рporque começa com a saída do Egito;
LEV√ćTICO – porque cont√©m a lei dos sacerdotes da tribo de Levi;
N√öMEROS – por causa dos recenseamentos dos caps. 1-4;
DEUTERON√ĒMIO – ‚Äúou a segunda lei‚ÄĚ, de acordo com uma interpreta√ß√£o grega de Dt.17:18.
 
OBJETIVO GERAL
Familiarizar o aluno com as tradi√ß√Ķes hist√≥ricas de Israel e com as mais recentes pesquisas na √°rea do Pentateuco para que o uso do texto na pr√°tica pastoral possa ser feito de forma consciente.
 
7 – Bibliologia do Antigo Testamento II
 
Esta disciplina enfoca a hist√≥ria do povo de Israel, contada de forma sistem√°tica em doze preciosos livros. S√£o cerca de mil anos ‚Äď 1446 a.C. a 445 a.C. ‚Äď de hist√≥ria, iniciados no livro de Josu√© e conclu√≠dos no livro de Neemias. Neste estudo voc√™ saber√° como a na√ß√£o viveu na Terra Prometida; o per√≠odo dos ju√≠zes e dos reis; a divis√£o do reino; o pecado da na√ß√£o, o ex√≠lio e o retorno √† Terra Prometida.
 
OBJETIVO GERAL
Descrever a história do povo de Israel desde Josué até o retorno a Terra Prometida.
 
8 – Bibliologia do Antigo Testamento III
 
EMENTA
A B√≠blia Hebraica, ap√≥s as suas duas primeiras se√ß√Ķes, conhecidas respectivamente como a Lei e os Profetas, cont√©m uma terceira, chamada de modo gen√©rico de os Escritos (ketubim).

Esta terceira se√ß√£o consiste num conjunto de treze livros: Rute, 1 e 2Cr√īnicas, Esdras, Neemias e Ester outros seis s√£o po√©ticos: J√≥, Salmos, Prov√©rbios, Eclesiastes, C√Ęntico dos C√Ęnticos e Lamenta√ß√Ķes de Jeremias e um, Daniel, √© de evidente concep√ß√£o prof√©tica e apocal√≠ptica.

Os gêneros literários das obras que integram o grupo dos Escritos se acham misturados. O mesmo, em maior ou menor grau, ocorre também em outros livros da Bíblia. Recorde-se a esse respeito a forma poética de certas passagens dos Profetas (p. ex., Is 40-55, joia da poesia do Antigo Oriente) ou do Pentateuco (Gn 49.2-27 Êx 15.2-18.21). Quanto às características da poesia hebraica, ver a Introdução aos Salmos.
 
OBJETIVOS GERAIS
Familiarizar o aluno com as tradi√ß√Ķes dos livros po√©ticos.
Identificar os livros poéticos.
Analisar os livros po√©ticos e sua import√Ęncia no Antigo Testamento.
Analisar os livros po√©ticos e sua import√Ęncia no Novo Testamento.
Analisar os livros po√©ticos e sua import√Ęncia na igreja de Cristo.
Analisar a import√Ęncia dos livros po√©ticos na pr√°tica pastoral.
 
9 – Bibliologia do Antigo Testamento IV
 
EMENTA
Umas das grandes divis√Ķes dos livros da B√≠blia s√£o aquela que cont√©m os escritos prof√©ticos. Biblicamente, profeta √© algu√©m a quem Deus escolhe e envia como seu porta-voz, aquele que entrega os or√°culos de Deus a uma pessoa ou grupo. N√£o s√£o adivinhos, agoureiros ou qualquer outro nome pejorativo que se queira rotular estes homens. S√£o mensageiros de Deus com a miss√£o de entregar suas palavras nos momentos mais cruciais de Israel.
As mensagens tamb√©m podem ser entendidas ou aplicadas num contexto futuro, mas originalmente n√£o era esta a inten√ß√£o e, transportar uma mensagem para um futuro, necessita uma compreens√£o exata dos fen√īmenos ocorridos quando do an√ļncio da profecia.
 
OBJETIVO GERAL
Colocar em discuss√£o as caracter√≠sticas e a fun√ß√£o do discurso prof√©tico e confrontar os textos dos profetas pr√©-ex√≠licos com o contexto da √©poca, possibilitando ao aluno uma leitura atualizada e cr√≠tica dos textos prof√©ticos em confronto com a realidade contempor√Ęnea e suas exig√™ncias.
 
10 – Bibliologia do Novo Testamento I
 
EMENTA
Os evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João (narrativas da vida, ensino e morte de Jesus Cristo, conhecidos como os Quatro Evangelhos). Estudos levam a crer que eles foram produzidos na segunda metade do primeiro século, por volta do ano 60. Embora alguns estudiosos datem o Evangelho de João no final do primeiro século por volta dos anos 90, outros sugerem uma data bem anterior à esses escritos. O mais interessante é que o escrito mais antigo do Novo Testamento é um fragmento do Evangelho de João, com data de aproximadamente 125 D.C.
 
OBJETIVO GERAL
Familiarizar o aluno com as tradi√ß√Ķes hist√≥ricas referentes aos evangelhos e com as mais recentes pesquisas na √°rea para que o uso do texto na pr√°tica pastoral possa ser feito de forma consciente e eficaz.
 
11 – Bibliologia do Novo Testamento II
 
EMENTA
Esta disciplina lhe proporcionará uma visão sobre a história e desenvolvimento da igreja primitiva, além de oferecer uma análise do livro, um panorama missionário, a Doutrina da Igreja, os problemas da fase de transição da igreja, o ensino sobre o Espírito Santo e como o cristianismo se estabeleceu entre os gentios sob a operação do Espírito Santo.
 
OBJETIVO GERAL
Familiarizar o aluno com as tradi√ß√Ķes hist√≥ricas referentes aos evangelhos e com as mais recentes pesquisas na √°rea para que o uso do texto na pr√°tica pastoral possa ser feito de forma consciente e eficaz.
 
12 – Bibliologia do Novo Testamento III
 
EMENTA
Esta disciplina lhe proporcionar√° uma vis√£o sobre as treze cartas baseadas na ep√≠stola aos Romanos que levam esta designa√ß√£o por raz√Ķes √≥bvias, consistem numa partes mais importantes do Novo Testamento, devido ao seu conte√ļdo teol√≥gico. Algumas recebem uma designa√ß√£o especial como Ep√≠stolas da Pris√£o e Ep√≠stolas Pastorais. Aquelas pelo fato de terem sido escritas pelo ap√≥stolo durante o seu aprisionamento em Roma e estas devido ao conte√ļdo espec√≠fico para l√≠deres das igrejas como Tim√≥teo e Tito.
 
OBJETIVO GERAL
Familiarizar o aluno com base na carta aos Romanos o estudo do grupo de cartas escritas pelo apóstolo Paulo, denominadas Epístolas Paulinas, que tratam sobre a trajetória e os conhecimentos do apóstolo Paulo, sobre a vida, a finalidade e a liderança da igreja, bem como uma mensagem aos pastores e líderes de hoje.
 
14 – Bibliologia do Novo Testamento IV
 
EMENTA
São cartas escritas com a finalidade de dirigir, aconselhar e instruir nos seus primeiros desenvolvimentos as igrejas recém-formadas ou para ajudar os responsáveis por pastoreá-las e administrá-las.

As ep√≠stolas, como os demais livros do Novo Testamento, est√£o escritas em grego, o que n√£o significa que o estilo liter√°rio epistolar estivesse especialmente difundido no mundo grego da √©poca. Mas era um estilo muito difundido entre os romanos, que fizeram uso normal do correio como instrumento id√īneo para vincular a metr√≥pole com as lega√ß√Ķes pol√≠ticas e militares de servi√ßos nas prov√≠ncias do Imp√©rio.
 
OBJETIVO GERAL
Visando despertar e qualificar os l√≠deres das igrejas locais contempor√Ęneas, este curso tem os seguintes objetivos espec√≠ficos:

1) Resgatar a integralidade do c√Ęnon crist√£o atrav√©s da investiga√ß√£o e valoriza√ß√£o da mensagem de Deus contida nas Ep√≠stolas Gerais √† sua igreja;

2) Possibilitar a compreensão da mensagem dessas epístolas através do estudo de seus elementos contextuais sócio-literários;

3) Demonstrar e incentivar a realiza√ß√£o de estudos b√≠blico-exeg√©ticos nessas ep√≠stolas, almejando prega√ß√Ķes e ensinos fundamentados nas Escrituras e na vontade do Esp√≠rito Santo.
 
15 ‚Äď Cultura Religiosa
 
EMENTA
No processo de estudo do fen√īmeno religioso procuraremos esclarecer algumas fun√ß√Ķes sociais que as tradi√ß√Ķes religiosas desempenham na sociedade. Compreender como elas se articula para situar-se em cada momento e realidade concreta.
 
OBJETIVO GERAL
O nosso estudo tem como objetivo principal a compreensão do ser humano religioso, partindo do pressuposto que a religião é uma construção humana feita historicamente.
 
16 ‚Äď Exegese B√≠blica
 
EMENTA
A disciplina oferecerá uma abordagem sócia histórica e literária do profetismo na Bíblia, evidenciando o papel dos profetas antes, durante e depois do Exílio. Serão também estudados os profetas maiores e menores, bem como se procederá ao exercício propriamente exegético de textos seletos.
 
OBJETIVO GERAL
Introduzir os alunos na temática do profetismo bíblico a partir do estudo dos livros proféticos.
Capacitar os alunos a identificarem a problemática sócio histórica religiosa e cultural, vivida pelos profetas a partir dos próprios textos bíblicos e de estudos sobre a respectiva época.
Introduzir os alunos na exegese dos livros proféticos por meio de textos seletos.
 
17 ‚Äď Escrituras Sagradas
 
EMENTA
A B√≠blia em si, recebe outros nomes como Palavra de Deus, Sagrada Escritura, Lei, Lei e os Profetas, Livro Sagrado, Sagradas Letras, Divina Revela√ß√£o, etc. Grego, hebraico e aramaico foram os idiomas utilizados para escrever os originais das Escrituras Sagradas. O Antigo Testamento foi escrito em hebraico. Apenas alguns poucos textos foram escritos em aramaico. O Novo Testamento foi escrito originalmente em grego, que era a l√≠ngua mais utilizada na √©poca. Os originais da B√≠blia s√£o a base para a elabora√ß√£o de uma tradu√ß√£o confi√°vel das Escrituras. Por√©m, n√£o existe nenhuma vers√£o original de manuscrito da B√≠blia, mas sim c√≥pias de c√≥pias de c√≥pias. Todos os aut√≥grafos, isto √©, os livros originais, como foram escritos pelos seus autores, se perderam. As edi√ß√Ķes do Antigo Testamento hebraico e do Novo Testamento grego se baseiam nas melhores e mais antigas c√≥pias que existem e que foram encontradas gra√ßas √†s descobertas arqueol√≥gicas.
 
OBJETIVO GERAL
O nosso estudo tem como objetivo principal a compreens√£o da forma√ß√£o do c√Ęnon sagrado, bem como, conhecer a origem das tradu√ß√Ķes da Palavra de Deus para atestarmos a sua fidelidade em rela√ß√£o aos originais.
 
18 ‚Äď Filosofia da Religi√£o
 
EMENTA
Interpreta√ß√£o filos√≥fica da ess√™ncia, do sentido e do valor da religi√£o em geral e das religi√Ķes no mundo, em perspectiva hist√≥rica ou sistem√°tica, com o aux√≠lio dos diversos m√©todos preconizados pela filosofia, tais como a fenomenologia, a an√°lise da linguagem e a hermen√™utica.
 
OBJETIVO GERAL
Introduzir a perspectiva e aos métodos da filosofia da religião, distinguindo a mesma da teologia e das outras ciências da religião, em perspectiva histórica.
Apresentar alguns filósofos que dedicaram parte da sua obra ao estudo da religião.
 
19 ‚Äď Geografia B√≠blica I
 
EMENTA

Discutir com o aluno os elementos necess√°rios para uma compreens√£o global e essencial da hist√≥ria econ√īmica, pol√≠tica e social do povo israelita, como base para um aprofundamento maior da hist√≥ria teol√≥gica desse povo. Possibilita ao aluno uma reflex√£o s√©ria sobre o processo hist√≥rico de Israel desde suas origens at√© o s√©culo I d.C.
 
OBJETIVO GERAL

‚ÄĘ Oferecer ao aluno um quadro coerente da hist√≥ria de Israel.
‚ÄĘ Discutir as tend√™ncias atuais da pesquisa na √°rea.
‚ÄĘ Construir uma base de conhecimentos hist√≥rico-sociais necess√°rios ao aluno para que possa situar no seu contexto a literatura b√≠blica veterotestament√°ria produzida no per√≠odo.
 
20 ‚Äď Geografia B√≠blica II
 
EMENTA

Complementar os ensinamentos de Geografia Bíblica I.
Possibilitar ao aluno uma reflexão séria sobre o processo histórico de Israel entre o século I d.C. até os dias atuais.
Compreender a relação entre a geografia e a arqueologia bíblica.
 
OBJETIVO GERAL

‚ÄĘ Desenvolver as atividades da disciplina de Geografia B√≠blica I.
‚ÄĘ Discutir as tend√™ncias atuais da pesquisa na √°rea.
‚ÄĘ Construir uma base de conhecimentos hist√≥rico-sociais necess√°rios ao aluno para que possa situar no seu contexto a literatura b√≠blica produzida no per√≠odo at√© os dias atuais.
‚ÄĘ Analisar as novas descobertas arqueol√≥gicas que complementam a disciplina.
 
21 ‚Äď Hermen√™utica I e II
 
EMENTA
Estuda as principais teorias da hermenêutica bíblica e promove exercícios de interpretação bíblica.
 
OBJETIVO GERAL
O objetivo da hermenêutica é estudar as principais tendências do pensamento em torno da Bíblia, especificando a interpretação latino-americana.
 
22 ‚Äď Homil√©tica I e II
 
EMENTA
Introdu√ß√£o √† Homil√©tica. Conceitos B√°sicos e elementos norteadores. Observa√ß√Ķes gerais em rela√ß√£o √† linguagem b√≠blica. Disposi√ß√Ķes necess√°rias e conceito. Regra fundamental. As sete regras e suas divis√Ķes. Repeti√ß√£o e observa√ß√£o. Figuras e ret√≥ricas e suas divis√Ķes. Palavras simb√≥licas. O estudo e pesquisas necess√°rias para que os serm√Ķes tenham conte√ļdos b√≠blicos e contempor√Ęneos. A arte da organiza√ß√£o das ideias que ser√£o apresentadas. A arte do uso do idioma. A arte da apresenta√ß√£o do serm√£o. Serm√Ķes Famosos.
 
OBJETIVO GERAL
Tem por objetivo o estudo e a pesquisa necess√°ria para que os serm√Ķes tenham conte√ļdos b√≠blicos e contempor√Ęneos. Promover a arte da organiza√ß√£o das ideias que ser√£o apresentadas. Identificar a arte do uso do idioma. Realizar a arte da apresenta√ß√£o do serm√£o.
 
23 ‚Äď Introdu√ß√£o a Psicologia
 
EMENTA
 
Psicologia Geral. Hist√≥ria da Psicologia. Bases fisiol√≥gicas do Comportamento. Escolas de Psicologia. Psicologia Contempor√Ęnea. M√©todos de Psicologia. Campos da Psicologia.
 
1. História da Psicologia
1.1. РPeríodo Pré Científico РFilósofos Gregos РSócrates, Platão, Aristóteles РSanto Agostinho РA Escolástica РRenascimento РDescartes РEmpirismo Inglês РAssocialismo РMaterialismo Científico do século XIX
1.2. – Bases Filos√≥ficas do Comportamento – Sistema Nervoso Micro-Vis√£o: neur√īnios, sinapses, impulso nervoso, vias nervosas, Reflexo e Arco reflexo. Macro-Vis√£o: Sistema Nervoso Central e Perif√©rico. Localiza√ß√£o das principais fun√ß√Ķes. O c√©rebro como organizador. O Sistema Nervoso e o Psiquismo.
1.3. РEscolas Psicológicas РPeríodo Científico РEstruturalismo РPragmatismo РFuncionalismo РReflexologia РBehaviorismo РPsicanálise РGestalt РHumanismo
1.4. – Psicologia Contempor√Ęnea
 
2 РDefinição РObjetivo.
 
OBJETIVO GERAL
1. Conhecer a ciência Psicologia com vistas a um olhar holístico acerca do ser humano;
2. Compreender o movimento histórico na construção do conhecimento psicológico;
3. Conhecer os objetos de estudo, as áreas de atuação e métodos da Psicologia;
4. Analisar criticamente a contribuição de cada corrente teórica da Psicologia;
5. Estudar temas contempor√Ęneos com enfoque da psicologia;
6. Refletir sobre a relação da Psicologia com outras áreas do conhecimento.
 
24 ‚Äď Liturgia
 
EMENTA
Debates e reflex√Ķes sobre a celebra√ß√£o do evangelho, ou seja, o conjunto de ritos ordenados no evangelho, a fim de dar express√£o ao conte√ļdo origin√°rio de sua mensagem.
O serviço cristão em relação à forma prescrita do culto em suas diversas facetas.
Discute-se em suma sobre os erros e as melhores ideias para a liturgia pr√°tica e racional para a igreja de nossos dias.
 
OBJETIVO GERAL
Tem como objetivo o conhecimento e crescimento bíblico da adoração do cristão através da celebração do Evangelho.
 
Enfatizar a igreja como comunidade de adoração no que ela presta aos homens e a Deus.
 
25 ‚Äď Minist√©rios Eclesi√°sticos
 
EMENTA

√Č hoje pr√°tica corrente, no meio evang√©lico, que alguns crist√£os se dediquem ao minist√©rio eclesi√°stico motivado apenas por interesses pessoais sem ter a certeza de ser um obreiro aprovado por Deus. Portanto, visamos neste breve texto expor o verdadeiro sentido que o crist√£o deve ter na busca pela excel√™ncia ministerial.
Onde est√° a excel√™ncia do minist√©rio? Para o jovem obreiro ela se encontra na participa√ß√£o do corpo ministerial da igreja onde, fazer parte deste grupo seleto, tomar parte das decis√Ķes, conhecer os desafios e as oportunidades da igreja e entender o modelo de gest√£o do pastor, √© para ele motivo suficiente para se sentir satisfeito.
 
OBJETIVO GERAL

‚ÄĘ Promover uma reflex√£o da concep√ß√£o atual do minist√©rio, bem como elucidar que a nobreza n√£o se encontra apenas no t√≠tulo, e sim na verticalidade com Deus e na horizontalidade com nossos semelhantes.
 
26 ‚Äď Missiologia I e II
 
EMENTA
Hist√≥ria de Miss√Ķes. Teologia B√≠blica de Miss√Ķes. Diferente da hist√≥ria de miss√Ķes, a teologia b√≠blica de miss√Ķes tem a sua plataforma na B√≠blia como fonte normativa para a tarefa mission√°ria da igreja (Missio Dei). Familiarizar o aluno com os v√°rios ensaios missiol√≥gicos, debates, e consultas de miss√Ķes.
 
OBJETIVO GERAL
Introduzir o aluno a conhecer os caminhos da hist√≥ria de miss√Ķes ao longo da trajet√≥ria do cristianismo. Conhecer homens e mulheres que Deus usou para a tarefa mission√°ria global.
 
27 ‚Äď Panorama B√≠blico I e II
 
EMENTA
O estudo dessa disciplina se faz necessário para que a Bíblia seja entendida e vista em seu contexto geral para evangelização.
 
OBJETIVO GERAL
Levar os alunos a uma visão ampliada dos costumes relatados nos livros da Bíblia. Esclarecer, de forma geral, as origens do texto sagrado, sua exegese, cronologia, características, usos e costumes, pesos e medidas, a cultura judaica e dos povos circunvizinhos.
 
29 ‚Äď Portugu√™s Instrumental I e II
 
EMENTA
Fonologia. Ortografia Oficial. Divis√£o Sil√°bica. Acentua√ß√£o Gr√°fica. Conjun√ß√£o. Substantivos. Adjetivos. Artigo. Numeral. Emprego dos Pronomes. Verbo. Conjuga√ß√£o dos Verbos Irregulares. Adv√©rbio. Preposi√ß√£o e Interjei√ß√£o. Pontua√ß√£o. Origem das Palavras Portuguesas. Forma√ß√£o de Palavras. Linguagem Formal e Informal. Sem√Ęntica. Finalidade da An√°lise Sint√°tica. Tipos de Sujeitos. Predicado. Complemento Nominal. Coordena√ß√£o. Adjunto Adnominal. Aposto. Vocativo. Concord√Ęncia Nominal e Verbal. Reg√™ncia. Crase. Interpreta√ß√£o de Textos. Narra√ß√£o. Disserta√ß√£o e Figuras de Linguagem.
 
OBJETIVO GERAL
Empregar corretamente a gramática da língua portuguesa.
 
30 ‚Äď Religi√Ķes Comparadas I, II e III (Seitas e Heresias)
 
EMENTA
Religi√£o comparada √© um campo do estudo das religi√Ķes que analisa as diferen√ßas interpretativas de temas comuns, mitos, rituais e conceitos entre as religi√Ķes do mundo.
O que √© religi√£o? Explana√ß√£o de algumas religi√Ķes. O que √© heresia? O que √© uma seita? Conhecendo as seitas. Por que as seitas t√™m crescido? Caracter√≠sticas comuns das seitas. Como discernir uma seita? O perigo das seitas. Uma breve sinopse acerca de algumas seitas conhecidas.
 
OBJETIVO GERAL
Conhecer e distinguir as diversas religi√Ķes existentes no Brasil e no mundo.
 
31 ‚Äď Tipologia B√≠blica
 
EMENTA

Estudo dos tipos e ant√≠tipos b√≠blicos, com aten√ß√£o especial sobre os fundamentos da hermen√™utica e as distin√ß√Ķes elementares entre os significados literal e simb√≥lico da B√≠blia, salientando a fluidez, dinamicidade e relev√Ęncia do tema ao longo da hist√≥ria, al√©m de ater-se √† turbul√™ncia interpretativa que se estabelece no √Ęmbito oficial e popular da religi√£o crist√£ brasileira.
 
OBJETIVO GERAL

‚ÄĘ Entender os princ√≠pios hermen√™uticos: aspectos te√≥ricos.
‚ÄĘ Conhecer as escolas e perspectivas interpretativas ao longo da hist√≥ria.
‚ÄĘ Identificar o posicionamento intermedi√°rio no interior dos debates tipol√≥gicos.
‚ÄĘ Definir os conceitos tipol√≥gicos.
‚ÄĘ Analisar o estudo da diversidade tipol√≥gica a partir da B√≠blia.
‚ÄĘ Analisar os contrastes entre tipos e outras no√ß√Ķes simb√≥lico-teol√≥gicas.
 
32 ‚Äď Teologia Escatol√≥gica I
 
EMENTA
Por que estudar a Escatologia? A Escatologia no preparo crist√£o e teol√≥gico-pastoral. CONCEITUA√á√ÉO E PROBLEM√ĀTICA. O Conceito de Escatologia. A Problem√°tica da Escatologia no Discurso Teol√≥gico. ESCATOLOGIA INAUGURADA. Perspectiva Escatol√≥gica do Antigo Testamento. A Natureza Escatol√≥gica do Novo Testamento. O Sentido de Hist√≥ria. O Reino de Deus. Entendendo o significado da express√£o ‚ÄúReino de Deus‚ÄĚ. O Reino de Deus sob tr√™s fulcros. O Reino de Deus segundo a Sagrada Escritura. Caracter√≠sticas do conte√ļdo do Reino de Deus. O Reino de Deus e a Igreja. Pontos fundamentais entre o Reino de Deus e a Igreja.
 
OBJETIVO GERAL
‚ÄĘ Promover a reflex√£o e discuss√£o b√≠blico-hist√≥rica sobre a f√© crist√£;
‚ÄĘ Promover a reflex√£o teol√≥gica acerca dos problemas atuais das comunidades eclesiais e sociais;
‚ÄĘ Elaborar o saber teol√≥gico, verdadeiramente inserido no contexto brasileiro, contribuindo para a produ√ß√£o de subs√≠dios para as comunidades eclesiais, p√°ra – eclesiais e sociais em sua a√ß√£o no mundo;
‚ÄĘ Criar e gerenciar projetos eclesi√°sticos e sociais fundamentados na f√© crist√£ evang√©lica.
 
33 ‚Äď Teologia Escatol√≥gica II
 
EMENTA
ESCATOLOGIA FUTURA. O Significado da Morte. O Significado de Imortalidade. Diferentes conota√ß√Ķes do termo ‚ÄúImortalidade‚ÄĚ. A pergunta de J√≥: ‚ÄúMorrendo o homem porventura tornar√° a viver?‚ÄĚ (14.14). Os argumentos da Revela√ß√£o Especial. O Estado Intermedi√°rio. O conceito b√≠blico. Argumento b√≠blico-hist√≥rico-teol√≥gico. A Parusia, Julgamento e Final do Mundo. O lugar da Parusia na Escatologia. A discuss√£o crist√£ acerca da Parusia. O surgimento do P√≥s-Milenismo. O surgimento do Pr√©-Milenismo. Cr√≠tica ao Pr√©-Milenismo e Dispensacionalista. O Surgimento do Amilenismo. Parusia, Julgamento e Final do Mundo. O modo da Segunda Vinda de Jesus Cristo. Evolu√ß√£o na compreens√£o do tema do Fim do Mundo. A tarefa da Teologia.
 
OBJETIVO GERAL
‚ÄĘ Promover a reflex√£o e discuss√£o b√≠blico-hist√≥rica sobre a f√© crist√£;
‚ÄĘ Promover a reflex√£o teol√≥gica acerca dos problemas atuais das comunidades eclesiais e sociais;
‚ÄĘ Elaborar o saber teol√≥gico, verdadeiramente inserido no contexto brasileiro, contribuindo para a produ√ß√£o de subs√≠dios para as comunidades eclesiais, p√°ra – eclesiais e sociais em sua a√ß√£o no mundo;
‚ÄĘ Criar e gerenciar projetos eclesi√°sticos e sociais fundamentados na f√© crist√£ evang√©lica.
 
34 ‚Äď Teologia Sistem√°tica I
 
EMENTA
O que é Teologia; A Existência de Deus; A Natureza de Deus; Em que Forma Deus Existe; Doutrina da Trindade; Atributos Incomunicáveis; Atributos Comunicáveis; Os Nomes de Deus; Idéias Não-Cristãs Sobre Deus; O Propósito Eterno de Deus; As Obras e os Decretos de Deus; Os Credos Cristãos etc.
 
ANGELOLOGIA: A Existência dos Anjos; A Natureza dos Anjos; Classificação dos Anjos; O Ministério dos Anjos; Anjos no Antigo Testamento; Anjos no Novo Testamento; O Anjo do Senhor; Os Atributos dos Anjos; O Ministério dos Anjos; A Existência de Satanás; A Queda de Satanás; A Existência, Natureza e Criação de Satanás; Possessão Demoníaca; O Destino dos Anjos; etc.
 
OBJETIVO GERAL
O estudo da Teologia Sistem√°tica √© essencial porque n√£o se pode pensar em um pastor ou te√≥logo que n√£o seja solicitado a refletir sobre temas como as doutrinas da Revela√ß√£o, de Deus e do ser humano. Isso significa que todos os profissionais da teologia deveriam ter uma compreens√£o de como Deus fala ao ser humano, quais s√£o os atributos de Deus e sua import√Ęncia, assim como o que √© o ser humano. A pesquisa da Teologia nos campos dessas doutrinas possibilita o desenvolvimento de uma consci√™ncia apta a compreender a riqueza dos fen√īmenos vividos pela f√© crist√£ e, por extens√£o, construir um conhecimento a respeito da real experi√™ncia dos fi√©is e da igreja.
 
35 ‚Äď Teologia Sistem√°tica II
 
EMENTA
ANTROPOLOGIA: O que √© Antropologia; A Origem do Homem; A import√Ęncia da Cria√ß√£o; Teorias Acerca da Origem do Homem; A Natureza do Homem; O Que significa ser criado a imagem e semelhan√ßa de Deus, etc.
 
HAMARTIOLOGIA: O Estado Original do Homem; Defini√ß√£o de Pecado; Pecado Original; a Origem Hist√≥rica do Pecado no Mundo; A Queda do Homem; A Natureza do Pecado; Pecado Herdado e Imputado; Teorias Err√īneas Quanto a Natureza do Pecado etc.
 
OBJETIVO GERAL
O estudo da Teologia Sistem√°tica √© essencial porque n√£o se pode pensar em um pastor ou te√≥logo que n√£o seja solicitado a refletir sobre temas como as doutrinas da Revela√ß√£o, de Deus e do ser humano. Isso significa que todos os profissionais da teologia deveriam ter uma compreens√£o de como Deus fala ao ser humano, quais s√£o os atributos de Deus e sua import√Ęncia, assim como o que √© o ser humano. A pesquisa da Teologia nos campos dessas doutrinas possibilita o desenvolvimento de uma consci√™ncia apta a compreender a riqueza dos fen√īmenos vividos pela f√© crist√£ e, por extens√£o, construir um conhecimento a respeito da real experi√™ncia dos fi√©is e da igreja.
 
36 ‚Äď Teologia Sistem√°tica III
 
EMENTA
CRISTOLOGIA: A import√Ęncia da Cristologia; Cristo √© o Tema Central da B√≠blia; A Cristologia na Hist√≥ria; Resumo das Heresias Cristol√≥gicas; As Duas Naturezas de Cristo; A Divindade de Cristo; A Humanidade de Cristo; Ressurrei√ß√£o e Ascens√£o; Of√≠cios de Cristo; Generalidades sobre Cristo; Resumo da Vida Terrena de Jesus.
 
SOTERIOLOGIA: A Obra de Cristo; A Natureza do Sacrifício; O Plano da Salvação; O Significado da Salvação; O Alcance da Salvação; O Que é Graça; As Falsas Esperanças de Salvação; A Obra da Trindade na Salvação; Eleição; O Novo Nascimento; Justificação; Santificação; O Destino após a Morte; O que é Calvinismo; O que é Arminianismo; Regeneração; Expiação; Propiciação; Justificação; Santificação; Argumentos Teológicos da Salvação entre outros assuntos.
 
OBJETIVO GERAL
O estudo da Teologia Sistem√°tica √© essencial porque n√£o se pode pensar em um pastor ou te√≥logo que n√£o seja solicitado a refletir sobre temas como as doutrinas da Revela√ß√£o, de Deus e do ser humano. Isso significa que todos os profissionais da teologia deveriam ter uma compreens√£o de como Deus fala ao ser humano, quais s√£o os atributos de Deus e sua import√Ęncia, assim como o que √© o ser humano. A pesquisa da Teologia nos campos dessas doutrinas possibilita o desenvolvimento de uma consci√™ncia apta a compreender a riqueza dos fen√īmenos vividos pela f√© crist√£ e, por extens√£o, construir um conhecimento a respeito da real experi√™ncia dos fi√©is e da igreja.
 
37 ‚Äď Teologia Sistem√°tica IV
 
PNEUMATOLOGIA: A Personalidade do Espírito Santo; A Deidade do Espírito Santo; Os Atributos do Espírito Santo; A Interação do Espírito Santo com Deus (Pai) e com Jesus (Filho); O Espírito Santo no Período Pré-Pentecostal; O Espírito Santo no Período Pós-Pentecostal; O Espírito Santo em Cristo; O Espírito Santo no Processo da Salvação; Os Dons do Espírito; O Fruto do Espírito; A Blasfêmia Contra o Espírito; Tipos e Símbolos do Espírito Santo.
ECLESIOLOGIA: O que é uma Igreja?; Um Modelo para Igreja; A Natureza da Igreja; Igreja: Corpo, Família e Noiva; As Figuras Bíblicas da Igreja; Quando a Igreja Começou; A Antiga Aliança com a Igreja; Os Recursos da Igreja; Três Formas de Governo: Episcopal, Presbiteriano e Congregacional; O Governo Bíblico da Igreja.
 
38 ‚Äď Doutrinas B√≠blicas
 
EMENTA
Esta disciplina tem a finalidade de expor o mais simples do fundamento da f√© crist√£. A palavra “doutrina” significa ensinamento. As v√°rias doutrinas b√≠blicas foram abordadas de maneira simples e clara para que os ensinos, sempre acompanhados de vers√≠culos b√≠blicos, sejam f√°ceis de entender. Em nenhuma doutrina foi frisada as ideias particulares, mas foi usada a Palavra para acurar a mais l√≠mpida verdade. As verdades crist√£s devem estar na mente e cora√ß√£o de cada aut√™ntico servo de Deus.
 
OBJETIVO GERAL

Fornecer um resumo das principais doutrinas, de modo que possa ser utilizado em cultos de doutrina, estudos bíblicos ou grupos de estudos.
Cooperar com o reino de Deus e o aperfeiçoamento do Corpo de Cristo.
 
39 ‚Äď √Čtica Pastoral
 
EMENTA

√Čtica: conceito e objeto.
√Čtica dos valores.
√Čtica crist√£ e pastoral.
Fundamentos √©ticos nas rela√ß√Ķes pessoais e profissionais.
Doutrinas éticas fundamentais.
Consciência, virtude e vontade ética.
Código de ética pastoral.
 
OBJETIVO GERAL

Trabalhar os fundamentos bíblicos da ação social e política da Igreja, tomando a herança reformada como modelo.
Conscientizar o aluno da responsabilidade social e política diante dos desafios enfrentados em nosso país.
Estabelecer uma conduta do líder cristão através do código de ética pastoral.
 
40 ‚Äď Hist√≥ria do Cristianismo I
 
EMENTA
A prepara√ß√£o para o cristianismo. A contribui√ß√£o dos romanos, gregos, judeus e africanos. O mundo ao surgir o cristianismo. A Igreja no Primeiro S√©culo. Jesus e a sua Igreja. A Igreja Apost√≥lica. A Igreja Antiga ‚Äď Parte I: O mundo em que a Igreja vivia; A Igreja: extens√£o, vida, culto e sacramentos, cren√ßa e organiza√ß√£o.
 
OBJETIVO GERAL
Conhecer a formação da igreja cristã. Entender as origens da igreja dentro do ambiente cultural e religioso da época. Identificar a gênese da igreja de Cristo.
 
41 ‚Äď Hist√≥ria do Cristianismo II
 
EMENTA
Os reformadores antes da Reforma. Lutero e a reforma alemã. Zwínglio e a reforma suíça. Zelo de Lutero na Reforma. O formalismo depois da Reforma. Período semelhante a Sardo. Reforma na França e Suíça francesa. Reforma na Itália e outros países europeus. Reforma inglesa, no reinado de Henrique VIII. Auxílios e obstáculos à reforma inglesa. Reforma nos reinados de Eduardo VI, Maria e Isabel. História da Igreja desde a Reforma.
 
OBJETIVO GERAL
Conhecer a formação da igreja cristã. Entender as origens da igreja dentro do ambiente cultural e religioso da época. Identificar a gênese da igreja de Cristo.
 
42 ‚Äď Hist√≥ria de Israel I, II e III

EMENTA
A disciplina proporcionar√° uma vis√£o conjunta da hist√≥ria do Antigo de Israel no contexto das civiliza√ß√Ķes do Oriente M√©dio, com vistas a conhecer tal hist√≥ria, a dos povos vizinhos e os imp√©rios que dominaram sobre a Palestina no primeiro s√©culo a.C., como subs√≠dio fundamental para o estudo da B√≠blia e a devida compreens√£o da a√ß√£o de Deus na hist√≥ria do povo de Israel.
 
OBJETIVO GERAL
Conhecer a história de Israel como subsídio essencial para o estudo da Bíblia e a devida compreensão de sua mensagem.
 
43 ‚Äď Minist√©rio Pastoral

Bases b√≠blicas do minist√©rio. Conceito do minist√©rio crist√£o. Voca√ß√£o e preparo. Qualifica√ß√Ķes para o minist√©rio. A vida devocional do ministro. O sofrimento e as recompensas do minist√©rio. A vida do ministro, seu trabalho, seu relacionamento com Deus, com a Igreja e com o mundo. O ministro e sua fam√≠lia. Sa√ļde e higiene (estresse, descanso, cuidados f√≠sicos, etc).
 
OBJETIVO GERAL

Conhecer o modelo bíblico-reformado de liderança eclesiástica.
Produzir uma filosofia pessoal de ministério.
Conhecer e compreender o ensino bíblico sobre liderança eclesiástica.
Analisar a doutrina separando seus elementos constitutivos, e estabelecendo rela√ß√Ķes entre eles.
Avaliar o ensino, confrontando os conte√ļdos com algumas cren√ßas e pr√°ticas da atualidade.
 
44 ‚Äď Psicologia Pastoral
 
EMENTA

A disciplina tem o objetivo de relacionar os conte√ļdos psicol√≥gicos aos aspectos fundamentais da vida humana vividos pelos alunos em sua pr√°tica ministerial.
 
OBJETIVO GERAL

Permitir a utilização dos conhecimentos psicológicos em sua prática ministerial, possibilitando maior eficiência no relacionamento emocional com os membros da Igreja, e um melhor aprofundamento no aconselhamento psicológico.
 
Compreender melhor o crist√£o enquanto um Ser Humano podendo relacionar emocionalmente de maneira mais positiva e eficaz.
 
Entender a din√Ęmica psicol√≥gica b√°sica inerente aos principais aspectos das situa√ß√Ķes humanas, especialmente os relacionamentos familiares.
 
Desenvolver a habilidade humana para compreender e aconselhar os membros de sua Igreja com o objetivo de auxiliá-los em seu desenvolvimento espiritual e psicológico.

ABANDONO DE CURSO
Será considerado abandono de curso aquele aluno que o sistema detectar como inoperante após 7 dias corridos sem acesso ao campus virtual, isto é, depois de 7 (sete) dias de inatividade no campus virtual o sistema bloqueia automaticamente o acesso.
 

E para retomar aos estudos o aluno deverá pagar o valor vigente de uma taxa de rematrícula.

 

Fonte: Art 57 e par√°grafo √ļnico do Art 57 do Regimento Interno do Itemol.

 

‚ÄúO meu povo foi destru√≠do porque lhe faltou conhecimento.‚ÄĚ Os 4.6